Cidades

Mulher sofre queimadura durante bronzeamento artificial em Piúma

COMPARTILHE
Imagem ilustrativa
5473

Uma moradora de Piúma sofreu queimaduras no corpo durante um procedimento estético de bronzeamento artificial. Com isso, a cliente vai receber R$ 2 mil por danos morais e R$ 600 por danos materiais, após apresentar sequelas decorrentes do serviço prestado. A decisão foi tomada pelo 1° Juizado Especial Cível de Piúma e divulgada nesta segunda-feira (6).

Cachoeiro inaugura nova pista de bicicross no bairro Village da Luz

Neste domingo (21), os esportes sobre duas rodas movimentaram Cachoeiro de Itapemirim. No bairro...

Centro Administrativo da Prefeitura de Cachoeiro permanece fechado nesta terça (23)

O Centro Administrativo Hélio Carlos Manhães, da Prefeitura de Cachoeiro, não funcionará novamente nesta...

Professores de Cachoeiro terão curso sobre educação no trânsito

Professores da rede municipal de ensino de Cachoeiro de Itapemirim participarão do curso de...

A mulher afirma que realizou cinco sessões do tratamento em um mesmo dia e acumulou dores e ardência pelo corpo.

Em sua defesa, a ré alega o conhecimento da autora das possíveis consequências que a técnica poderia causar, utilizando como base o contrato firmado entre as partes na compra das sessões, no qual descrevia os prováveis danos da prática estética.

Continua depois da publicidade

Ao analisar os autos, o juiz utilizou o Código de Defesa do Consumidor, que orienta a relação entre consumidor e prestador de serviço. No caso presente, o magistrado entendeu que houve má prestação da atividade realizada pela requerida e ainda, que a ré tinha conhecimento dos cuidados necessários com a consumidora e, mesmo assim, não se atentou para eles.

Além da requerente ser compensada pelo prejuízo moral causado pelas queimaduras e desgaste emocional durante o processo judicial, a empresa deve realizar a restituição do pagamento desembolsado pela autora no início do procedimento, a título de danos materiais, que correspondem a R$ 600.

Publicidade