Divino de São Lourenço

Enterro de menino morto pelo pai é marcado por comoção e perplexidade

COMPARTILHE
4011

O sentimento de comoção misturado ao de perplexidade por uma morte cruel contra uma criança de cinco anos. Assim estava o clima na manhã de hoje (17), durante o sepultamento do menino Artur Moura Silva, em Divino de São Lourenço.

Meio ambiente, segurança e música em harmonia no Penha Roots

Além de boa música e energia positiva, segurança e meio ambiente estarão em evidência...

Apresentação para transformar Patrimônio da Penha em "Cidade do Reggae"

Uma apresentação para transformar o distrito de Patrimônio da Penha na cidade do reggae....

Mato Seco promete acender o público em Patrimônio da Penha

O “Penha Roots”, Festival que acontecerá no próximo mês, traz pela primeira vez ao...

Ele foi morto na quarta-feira (16), após não resistir aos ferimentos decorrentes de quatro dias de espancamentos praticados pelo pai, Adeildo Souza da Silva, que confessou o crime. Ele e a mãe de Artur, Luane Monique de Moura Silva, 26, estão presos. O casal foi autuado por homicídio duplamente qualificado (por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima) e estão presos no CDP de Cachoeiro. O crime ocorreu em Dores do Rio Preto.

“A população está em estado de choque. Não tem como nem comentar algo num momento desses. Uma família estruturada. Os avós maternos são pessoas ótimas, o vô (Hamilton) um colega de trabalho exemplar, muito triste”, conta Casciano Rodrigues, funcionário da Prefeitura de Divino de São Lourenço.

Continua depois da publicidade

Morador do distrito de Patrimônio da Penha, em Divino, Sebastião José Pinheiro esteve no sepultamento e ainda não acredita no acontecido. “Conhecia todos eles, moro próximo. Não podíamos imaginar nunca algo assim”, relata.

Tio do menino, Hamilton Jr, irmão de Luane (mãe de Artur), diz que fica agora a saudade e o desejo por justiça. “Artur sempre estava aqui com a gente em casa, a mãe deixava com meus pais ou comigo para brincar com meus filhos. Eu sinto que perdi parte de mim, um filho meu também se foi”, conta o tio, que pede por justiça. “Que a justiça seja feita. É muito complicado separar algo assim, é minha irmã, crescemos juntos, de repente uma tragédia dessa. Independente disso vamos querer que todos os envolvidos paguem por isso”, desabafa.

O pai de Luane, o secretário de Turismo de Divino Hamilton, conta que está confuso com a tragédia e que a principal base da sua família, segundo ele, é a confiança, agora abalada com a morte de Artur. “Sem confiança não existe relação. É minha filha, está presa por algo inimaginável. O que devo sentir? Se está envolvida tem que pagar por isso, mesmo sendo alguém importante na minha vida”, diz Hamilton, mostrando o laudo do IML que confirma morte natural causada por espancamento.

Publicidade