Variedades

Casal cego conhece rosto de filha por impressão 3D de ultrassom

COMPARTILHE
Foto: reprodução/Twitter
205
Advertisement
Advertisement

Para qualquer casal, ver o rosto do filho em um ultrassom é um momento especial. Na vida de Daniel Iturria e Silvina Ibarra, porém, essa não era uma possibilidade. Ambos são cegos – ela desde que nasceu e ele perdeu a visão na infância. Mas com a ajuda da equipe médica, eles puderam sentir os traços do rosto da filha, chamada de Malena, com 18 semanas de gestação.

Continua depois da publicidade

O pediatra Mario Pellizari e o especialista em diagnóstico por imagem Ricardo Ledesma se uniram para fazer uma impressão 3D do rosto do feto. Os dois médicos do Instituto Oulton, em Córdoba, já pensavam na possibilidade de usar essa tecnologia nas sonografias que fazem todos os dias, mas não queriam que se tornasse um experimento comercial, conforme disseram ao La Nación. Para os especialistas, a tecnologia acabaria se tornando quase um souvenir para os futuros pais. Quando conheceram Silvina e Daniel, contudo, perceberam que levar impressão 3D à sonografia poderia ter um significado maior.

“Nós sabíamos que existiam empresas dedicadas à impressão de ultrassonografias e já haviam nos mostrado projetos parecidos. Mas me parecia bobo fazer esse tipo de impressão para que um casal tenha as imagens do bebê no útero como recordação. Então, resolvemos reservar essa tecnologia para os casais que não podem ver. Quando conhecemos Daniel e Silvina, dissemos ‘este caso é o ideal'”, disse Pelizzari ao jornal argentino.

O processo foi complicado. Era importante realizar várias sonografias para conseguir a melhor imagem. A equipe médica também não poderia demorar muito – apesar de o feto desenvolver mais características faciais no fim da gravidez, fica mais difícil conseguir uma boa imagem depois.

Continua depois da publicidade

Fonte: Época Negócios

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].