Espírito Santo

Alerta: obras da BR 262 podem parar por falta de verbas

COMPARTILHE
Foto: Divulgação/DNIT
242
Advertisement
Advertisement

 O Conselho Temático de Infraestrutura e Energia (Coinfra) da Findes publicou uma nota técnica que alerta sobre o risco de paralisação das obras de duplicação da BR 262 em 2019. Segundo a nota, o primeiro trecho, entre o km 50 e o km 57, deve ser concluído em dezembro deste ano, ao custo de R$ 80 milhões, mas não há verbas previstas para 2019.

Carnaval capixaba continua neste sábado (15); confira a ordem dos desfiles

Depois de dois dias de desfiles, chegou o momento mais esperado para os foliões....

ES tem Dia D de vacinação contra o sarampo neste sábado (15)

Neste sábado (15), acontece o Dia D de Vacinação contra o Sarampo em todo...

Policiais aumentam pressão sobre o Governo do ES em movimento que reivindica reposição salarial

A Frente Unificada pela Valorização Salarial dos Policiais Militares, Policiais Civis e Bombeiros Militares...

Com aproximadamente 15 quilômetros, o segundo trecho demandará R$ 150 milhões no orçamento – valor ainda não previsto. O consórcio contratado pelo Dnit, formado por Aterpa, Serveng e Maia Melo, deverá entregar, ainda em agosto, o projeto básico para duplicação do trecho entre o km 57 e o km 71,7, que será submetido à análise ambiental.

A nota técnica do Coinfra lembra que a continuidade da duplicação da BR 262 em 2019 dependerá de emenda ao orçamento da União no valor de R$ 150 milhões. O presidente do Sistema Findes, Léo de Castro, relatou diálogo com a bancada federal capixaba sobre o tema, prevendo redução de custos e ganho logístico com a solução do impasse.

Advertisement
Continua depois da publicidade

“A atuação da bancada federal na duplicação da BR 101 foi essencial para o andamento da duplicação. Na BR 262, se não houver recursos disponíveis, a empresa deverá desmobilizar o canteiro de obras e realocar funcionários, perdendo tempo e dinheiro. Se a bancada conseguir dar celeridade às licenças e à emenda, vamos dar prosseguimento a uma das mais importantes obras para o eixo logístico da nossa malha”, defendeu Castro.

Advertisement