Variedades

Liceu de artes e Ofícios reinaugura espaço cultural destruído num incêndio

COMPARTILHE
5

Em 4 de fevereiro de 2014, um grande incêndio destruiu o prédio do Centro Cultural do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, instituição que completa 145 anos de atividade este ano. Quadros, esculturas, móveis antigos e réplicas em gesso de obras-primas como Davi e Pietá, de Michelangelo, ficaram destruídas. Agora, mais de quatro anos depois, o espaço vai finalmente ser reaberto ao público.

Acidente em show dos Backstreet Boys deixa 14 feridos nos EUA

Um acidente num show dos Backstreet Boys em Oklahoma deixou 14 pessoas feridas na...

Fábio Assunção ajuda artista de rua a se reencontrar com a mãe

No último sábado, 18, Fábio Assunção publicou em seu Instagram uma foto ao lado...

'Eu deixo a vida não me levar, eu deixo a vida me atropelar', diz Faustão

O Altas Horas do último sábado, 18, exibiu uma rara entrevista de Fausto Silva....

“O Liceu está pagando uma dívida com a cidade de São Paulo e com a sua própria história, ao resgatar esse espaço”, acredita o presidente da instituição, Livio de Vivo. “Aquele incêndio foi traumático.” Segundo De Vivo, apesar de contar com o auxílio do seguro, o Liceu teve de arcar com recursos próprios em parte da construção do novo prédio e do restauro de obras queimadas. Das 28 réplicas em gesso, oito já foram restauradas e já estão em exibição no espaço. Mais de 10 obras ficaram irrecuperáveis por causa do incêndio.

Com 1.200 m², o novo Centro Cultural conta com dois espaços expositivos e é decorado com a mesma estrutura metálica do prédio que pegou fogo. “Aqui era um edifício industrial e a estrutura metálica interna é alemã, da virada do século 20”, explica o arquiteto do projeto, Ricardo Julião. Apesar de ter perdido a sua capacidade estrutural no incêndio, as peças metálicas foram restauradas e hoje servem para ornamentação.

Continua depois da publicidade

A entrada principal na Rua da Cantareira foi refeita, com um design mais moderno, mas o novo projeto manteve também um pórtico localizado na Rua João Teodoro. “Por conta da importância histórica decidimos manter essas estruturas”, esclarece o arquiteto. Para contrapor, deixamos o espaço o mais limpo possível, para não interferir nas atividades e exposições.”

Resgate

Para recuperar a história do Liceu de Artes e Ofícios, o espaço inferior do novo Centro Cultural foi reservado para exposições sobre a própria instituição. A curadora Denise Mattar ficou encarregada pela programação inaugural, que se divide entre o ontem, hoje e amanhã. Mattar já havia sido contatada pelo Liceu antes mesmo do incêndio para trabalhar no espaço, que por 20 anos abrigou um show de luz e sombras com as réplicas em gesso.

“Temos uma memória de excelência, mas não tínhamos datas, o acervo estava confuso”, explica a curadora, que, para essa primeira exposição, decidiu fazer uma linha do tempo com toda a história da instituição. Nessa linha, alguns marcos são interessantes, como o ano de 1913, quando o antigo prédio da instituição, projetado por Ramos de Azevedo, foi cedido para a atual Pinacoteca do Estado.

Além disso, o espaço inferior inclui ainda pequenas salas. No fundo, foram colocadas as réplicas em gesso, como uma homenagem ao antigo centro. Numa parede lateral, fotos e objetos mostram a relação do Liceu com a cidade de São Paulo, ao relembrar construções que utilizam peças feitas pela instituição, como as portas da Catedral da Sé ou o Monumento a Duque de Caxias. Por fim, outra parede relembra as oficinas mantidas pelo Liceu, como de serraria, desenho e artes decorativas.

Hoje, o Liceu de Artes e Ofícios ainda conta com quatro cursos técnicos gratuitos, além de ensino médio privado.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Pedro Rocha, especial par ao Estado
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade