Segurança

Falso vendedor de peças de carros aplica golpe em grupos de whatsapp de Cachoeiro

COMPARTILHE
173

Um falso vendedor de peças de carros vem fazendo vítimas em grupos de whatsapp de Cachoeiro de Itapemirim e municípios de outros estados. Os casos foram registrados na Polícia Civil.

PM recupera moto furtada durante Festa do Abacaxi em Marataízes

Militares recuperam na manhã deste domingo (25), uma moto furtada na noite de ontem,...

Dupla é presa após furtar moto em São José do Calçado

Dois jovens, de 18 e 19 anos, de Guaçuí, foram presos na noite deste...

PM prende homem com mandado de prisão em aberto em Guaçuí

A Polícia Militar prendeu na noite deste sábado (24), um homem com mandado de...

De acordo com o operador de ponte Jefferson de Oliveira, uma das vítimas, o golpista, que se identifica com o nome de Júnior e utiliza telefone com DDD 27 final 7598, se infiltra em grupos de whatsapp e faz anúncios no Facebook oferecendo peças de carros. As vítimas depositam dinheiro na conta bancária fornecida por eles, mas jamais recebem a mercadoria.

“Depositei R$ 400,00 na conta do Júnior. Fiz diversos contatos com ele. A princípio, colocou a culpa do atraso no envio das peças na greve dos caminhoneiros e depois sempre me dava a desculpa que as mercadorias estavam em uma transportadora de Minas Gerais. Ele chegou a passar o whatsapp da tal transportadora alegando que não tinham telefone fixo, mas a transportadora respondia as mensagens sempre dizendo que estava enviando o produto, o que nunca aconteceu. O jeito foi eu procurar a polícia para registrar boletim de ocorrência”, explicou Jefferson.

Continua depois da publicidade

Outra vítima, que preferiu não ser identificada, relata que por estar com pressa para trocar uma peça de seu carro que não encontrava na cidade, efetuou o depósito na conta do golpista com a promessa de que no máximo em quatro dias receberia a mercadoria, o que nunca aconteceu.

Nas redes sociais há várias queixas de vítimas, inclusive de outros estados. Uma delas relata que levou prejuízo de R$ 1.000,00.

Os casos são investigados pela Polícia Civil.

Publicidade