Cidades

“Crise financeira impede reajuste a servidores de Ibatiba”, afirma Pingo

COMPARTILHE
475
Advertisement
Advertisement

O prefeito de Ibatiba, Luciano Pingo, disse ontem, em entrevista ao AQUINOTICIAS.COM que não tem como atender as reivindicações dos servidores municipais, que entraram em greve na segunda-feira. O prefeito afirmou que o funcionalismo merece seu reconhecimento, mas que a crise financeira enfrentada pelo município impede a concessão de reajuste para a categoria.

Cachoeiro: ExpoSul Rural 2020 terá exposição agropecuária ampliada

A ExpoSul Rural 2020, que será realizada de 1º a 5 de abril, no...

Mimoso do Sul tem ruas alagadas devido a forte chuva

O município de Mimoso do Sul também registrou pontos de alagamento em decorrência da...

Chuva intensa provoca alagamentos em bairros de Guaçuí

Devido à forte chuva que caiu sobre a cidade de Guaçuí, durante horas no...

Em vídeo que circula nas redes sociais, o presidente do Sindicato dos Servidores de Ibatiba, Edson Saloto, disse que a paralisação terá duração de quatro dias e não afetará os serviços essenciais.

“Queremos o pagamento de direitos trabalhistas básicos que não estão sendo pagos ao servidor, por isso aprovamos em assembleia uma greve geral envolvendo todas as categorias a partir desta segunda. Ela é parcial, o que significa que uma parte dos serviços em alguns horários não estará funcionando. Nós já temos a adesão confirmada de mais de 300 servidores”, disse Saloto.

Advertisement
Continua depois da publicidade

O sindicalista afirma que foram feitas várias reuniões com a prefeitura para debater as reivindicações do funcionalismo, mas sem êxito.

“Tivemos várias conversas e reuniões com o prefeito e com os vereadores. Enviamos ofícios, mas a gente não conseguiu chegar num acordo. Luciano Pingo não conseguiu estabelecer pelo menos a revisão geral do salário dos servidores, o acerto do nível 1, o piso do magistério e o pagamento de causas judiciais já ganhas de direitos trabalhistas”, afirma Saloto.

O prefeito reafirmou que não pode gastar mais do que tem e que estados vizinhos tiveram descontrole das contas e agora atrasam salários. A discussão principal, segundo Pingo, é de onde tirar o dinheiro para pagar o aumento da despesa.

“As demandas visam valorizar os servidores públicos municipais que merecem esse reconhecimento, mas a questão orçamentária do município dificulta aumentar despesas, pois a arrecadação infelizmente não consegue suprir as demandas financeiras que os pleitos exigem”, justifica o prefeito.

Advertisement

Advertisement