Variedades

Alexandre Frota perde ação trabalhista contra emissora

COMPARTILHE
1117

O ator Alexandre Frota entrou com reclamação trabalhista no Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região contra a Nova Cidade Comunicação e Marketing Ltda, a TV C., alegando ter mantido relação de emprego não formalizada como diretor-geral da empresa. De acordo com o ator, durante os seis meses em que trabalhou para a empresa, deveria ter recebido salário mensal de R$ 12 mil, mas não recebeu nenhuma importância durante todo o período e, mais além, teria desembolsado valores para cobrir despesas de manutenção da tevê.

As informações foram divulgadas pelo TRT-2 – Processo nº 1001278-62.2017.5.02.0383.

Após 12 anos desaparecida, cadela é encontrada a 1.600 km de casa

A americana Katheryn Strang nunca perdeu a esperança de reencontrar a cadelinha Dutchess, que...

Príncipe Harry diz que 'cada flash de câmera' o faz lembrar morte da mãe

Já faz 22 anos desde a morte da princesa Diana, em um acidente de...

'Estou em recesso', brinca Ana Maria Braga sobre relacionamentos amorosos

Ana Maria Braga está há duas décadas na TV Globo, no comando do Mais...

A empresa, por sua vez, manifestou-se afirmando que o ator nunca atuou como empregado da emissora. “O ator teria, aliás, manifestado intenção de interagir como parceiro, reativando a empresa reclamada. Assim agindo, teria, por conta e interesses próprios, suportado os encargos de seu próprio negócio sem qualquer tipo de subordinação jurídica e econômica”, declarou, nos autos.

O juiz da 3.ª Vara do Trabalho de Osasco (SP), Ronaldo Luís de Oliveira, entendeu que Frota não atuou como típico empregado. Afirmou, nos autos, inclusive, que o ator “não está assistido pelo sindicato de sua categoria”, “tem se revelado um forte investidor em diversos segmentos (artísticos, empresariais e até mesmo políticos)”, e “arcou com boa parte (se não todas) das despesas do negócio jurídico travado com a ré”.

Continua depois da publicidade

Ainda segundo a sentença, “contrariando o senso comum sobre um dos típicos requisitos da relação de emprego”, o ator alegou ter suportado altos valores relacionados a diversos tipos de despesas da empresa, inclusive referente a compra e locação de equipamentos, materiais de limpeza, serviços, remuneração de salários de empregados e de terceirizados e até mesmo custo de energia elétrica.

“Esses fatos evidenciam que o autor esteve longe de estar subordinado economicamente à reclamada.”

Fundamentado ainda em uma postagem feita por um dos sócios da empresa apresentando o autor ao público como “sócio da empreitada”, a qual foi reconhecida pelo reclamante como a representação da “situação vivenciada no período”, o magistrado entendeu que “o autor não descartou a possibilidade de ter atuado, naquele breve empreendimento, como parceiro da ré (ou de seus sócios)”.

Desse modo, com todos os pedidos rejeitados e tendo sido indeferido o benefício de justiça gratuita, o ator foi condenado a pagar mais de R$ 20 mil referentes aos honorários advocatícios, em favor dos patronos da TV C.. E ainda deverá arcar com as custas processuais, no importe de R$ 4.900.

Defesa

A reportagem tentou contato com a TV C e tenta localizar o ator Alexandre Frota desde quarta-feira, 20, mas ainda não obteve retorno.

Gabriel Wainer, especial para AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade