Geral

Congresso tende a tornar Ministério da Segurança Pública definitivo, diz Jungmann

COMPARTILHE
11

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta quarta-feira, 13, que o ministério deve perder o caráter “extraordinário” e passará a integrar a estrutura do governo de forma permanente. Jungmann disse acreditar que a proposta será votada sem dificuldade na Câmara dos Deputados e depois seguirá para o Senado. Segundo ele, líderes partidários avaliaram que não haverá obstrução.

Temer convoca reunião de emergência para discutir situação de Roraima

O presidente Michel Temer convocou para este domingo, 19, às 10 horas, no Palácio...

Colisão de carro com caminhão mata cinco jovens em Guarulhos

Cinco pessoas morreram em um grave acidente de trânsito na madrugada desta sábado, 18,...

Postos de saúde têm baixa procura no 'Dia D' de vacinação

O movimento nos postos de saúde no 'Dia D' de vacinação contra pólio e...

A mudança foi fruto de uma emenda parlamentar acatada pelo relator da matéria na comissão mista, senador Dário Berger (MDB-SC), com apoio do governo.

“A criação de um ministério extraordinário foi uma maneira que você teve de fazer a criação de uma maneira mais rápida”, justificou Jungmann sobre o fato do presidente Michel Temer ter criado a pasta em caráter extraordinário.

Continua depois da publicidade

Embora Jungmann diga que o ministério será definitivo, o próximo presidente da República, no ano que vem, pode decidir extingui-lo. O ministro disse duvidar que o futuro presidente vá “passar a borracha” nesse ministério.

Jungmann falou à imprensa após participar do Seminário Nacional da Segurança Pública, na Academia Nacional de Polícia Federal com o presidente Michel Temer e o ministro Torquato Jardim (Justiça).

Durante a abertura do seminário, o presidente Temer também mencionou em seu discurso que o ministério deve ganhar caráter definitivo. “A ‘extraordinariedade’ derivou precisamente da hipótese de costear uma dificuldade legal de criar um novo ministério. Agora, o Congresso Nacional, que sempre colaborou conosco, traz a ideia de fazê-lo definitivo”, disse Temer.

Concurso

Jungmann disse que assinará ainda nesta quarta-feira o edital de um concurso para 500 vagas na Polícia Federal. De acordo com o ministro, as vagas serão distribuídas entre 150 delegados, 60 peritos criminais, 180 agentes, 80 escrivães e 30 papiloscopistas.

Quando assumiu a pasta, em fevereiro, Jungmann anunciou que o governo realizaria o concurso para aumentar o quadro da PF como parte da estratégia do ministério de fortalecer o combate ao crime no País.

Julia Lindner
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade