Economia

'É chato banco parceiro fazer uma besteira dessas', diz fundador do Neon Pagamentos sobre banco Neon

COMPARTILHE
95

DANIELLE BRANT E FILIPE OLIVEIRA

Governo admite que concessões de aeroportos e ferrovias não saem este ano

Após meses de promessas e constantes revisões de cronogramas, o governo jogou a toalha...

BNDES terá novo procedimento para análise de crédito

Com o objetivo de tornar mais ágil a concessão de crédito, o Banco Nacional...

Orçamento tem pleitos emergenciais de R$ 1,4 bi

Na disputa pelos recursos do Orçamento, os ministérios fizeram uma lista de pedidos que...

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O fundador da fintech Neon Pagamentos, Pedro Conrade, lamentou nesta sexta-feira (4) a decisão de ter adotado o mesmo nome do Banco Neon, instituição que usava para operar serviços financeiros e que sofreu liquidação extrajudicial do Banco Central mais cedo.

Para manter contas de pagamento para seus clientes, a fintech precisa de parceria de uma instituição financeira autorizada pelo Banco Central.

Continua depois da publicidade

“É super chato. Estamos fazendo um ótimo trabalho e um banco que usamos faz uma besteira dessas”, afirmou, em entrevista à Folha de S.Paulo, poucas horas depois de saber da intervenção do BC na instituição financeira.

A fintech de Conrade, que nasceu como Contro.ly, trocou de nome ao fazer uma parceria com o então Banco Pottencial, em 2016, no que deu origem ao Banco Neon. A fintech acabou adotando o mesmo nome da instituição financeira.

“A marca Neon pertence à Neon Pagamentos. Emprestamos ao Banco Neon durante o período do acordo operacional entre as empresas, para não gerar confusão entre os clientes. Se hoje tivesse dois nomes, nada desse furacão estaria acontecendo”, afirma Conrade.

O fundador da fintech diz que nem ele como pessoa física, nem a Neon Pagamentos têm participação acionária no Banco Neon. Porém, os três sócios do banco -Argeu de Lima Géo, Carlos Géo Quick e João de Lima Géo Filho- investiram como pessoa física na Neon Pagamentos. “Eles investiram há dois anos, assim como mais de 20 investidores-anjo na época. O dinheiro saiu do bolso deles, não teve nada a ver com o Banco.”

Conrade diz que os 600 mil clientes que a Neon Pagamentos possui não serão afetados pela liquidação extrajudicial do Banco Neon. Segundo ele, os clientes podem fazer pagamentos no débito, mas transferências e pagamentos de contas estão bloqueados até que a fintech ache outro parceiro autorizado a fazer essas transações.

“O mais importante é resolver logo isso. Não temos nenhuma preocupação em relação a achar um banco parceiro, deve ter umas 300 mensagens de apoio, de donos de empresas, de bancos, pessoas do mercado. Eles sabem que somos sérios, não fizemos nada de errado. Tem muita gente se oferecendo para suportar a operação”,  diz.

A fintech, que tinha lançado cartão de crédito há três semanas, informou que cancelou as transações com esse meio de pagamento por causa da confusão.

A Neon Pagamentos tinha acabado de captar R$ 72 milhões em uma rodada de investimentos que teve como líderes os fundos Propel Ventures, Monashees e Quona, conforme informou a coluna Mercado Aberto desta Folha na quinta-feira (3).

Já as cerca de mil contas-correntes do Banco Neon passarão por uma verificação de saldos para que os valores sejam restituídos aos clientes afetados. Conrade afirma que o dinheiro dos clientes da Neon Pagamentos não entra na massa falida do Banco Neon.

A instituição financeira atuava principalmente no financiamento a pequenas e médias empresas, com mais de R$ 200 milhões em ativos e uma carteira de crédito de R$ 100 milhões.

ENTENDA

O Banco Central determinou na manhã desta sexta-feira a liquidação extrajudicial do Banco Neon. 

Entre os problemas identificados pelo BC estão patrimônio líquido negativo do banco e “graves violações às normas legais e regulamentares” que disciplinam a atividade da instituição financeira, “inclusive com graves deficiências de controle e monitoramento das operações” de prevenção a lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo.

O banco foi criado em 2016 como uma parceria entre a empresa de pagamentos Controly e o Banco Pottencial. 

O Banco Central diz que a instituição financeira precisaria ter ao menos R$ 23 milhões a mais no patrimônio líquido para alcançar o mínimo exigido pela autoridade monetária.

“A supervisão do Banco Central do Brasil constatou o comprometimento da situação econômico-financeira, bem como a existência de graves violações às normas legais e regulamentares que disciplinam a atividade da instituição”, afirmou o BC em nota.

Publicidade