Castelo

Maioria dos desembargadores do TRE vota pela cassação do vereador de Castelo, Cristiano Vitelli

COMPARTILHE
1034

A maioria dos desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) está seguindo a decisão do juiz da 3ª Zona Eleitoral de Castelo, Joaquim Ricardo Camatta Moreira, que cassou em maio do ano passado o diploma do vereador Cristiano Dias Vitelli (PR), por compra de votos. O parlamentar já recebeu quatro votos favoráveis a perda de mandato.

Quinta-feira (19) começa com 21 vagas de emprego no Sine Cachoeiro

O Sine Cachoeiro está com 21 vagas de emprego nesta quinta-feira (19). A Agência...

Ar seco e alta pressão deixam a quinta-feira (19) ainda mais quente no Sul do ES

A quinta-feira (19) de poucas nuvens e calor no Espírito Santo, por causa do...

Escolas de Cachoeiro apresentam trabalhos sobre sustentabilidade

Nesta quinta-feira (19), a Praça Jerônimo Monteiro, localizada na região central de Cachoeiro de...

Para que o processo tenha um desfecho no TRE, faltam apenas dois votos. Com o placar atual, Vitelli já perdeu o mandato. Na última segunda-feira (27), o juiz Rodrigo Marques de Abreu Júdice pediu vistas no processo que deve entrar novamente na pauta de julgamento na sessão da próxima segunda.

Se confirmada a sentença, quem assume no lugar de Cristiano é o primeiro suplente Ramon Lambranho (PMN), que obteve 407 votos nas eleições de 2016.

Continua depois da publicidade

Compra de votos

De acordo com os autos do processo, o Ministério Público Eleitoral (MPE) recebeu duas denúncias sobre compra de votos contra Cristiano durante a eleição.

No primeiro caso, segundo o órgão ministerial, o parlamentar teria pago pela aquisição de peças e reparo do veículo de um eleitor em troca de voto.

Em depoimento, uma testemunha disse que o então candidato foi até a sua casa dizendo que se ele e sua família votassem nele consertaria seu carro. No dia seguinte o veículo foi levado para a oficina para fazer o reparo. O dono da oficina confirmou em depoimento que o vereador autorizou e pagou pelo serviço.

Nos autos do processo consta ainda que o eleitor só procurou o Ministério Público para fazer a denúncia contra o vereador após receber uma ligação anônima que o ameaçava.

A defesa de Cristiano alegou que o vereador apenas emprestou o dinheiro e que teria sido reembolsado depois.

Em outro caso, o MPE afirma que foi paga a uma eleitora a quantia de R$ 70,00 para aquisição de um medicamento, o que para o órgão trata-se de “uma manobra” para conseguir votos dela e de sua família.

Consta nos autos que, na véspera da eleição, Cristiano chegou de carro acompanhado de uma mulher que teria chamado a eleitora e entregue a quantia em dinheiro. O fato foi registrado em fotografia.

Publicidade