Esporte Nacional

Presidente do Palmeiras protesta contra jogo do Corinthians no Pacaembu

COMPARTILHE
48

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O Presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, se manifestou, nesta terça-feira (13), contrário à decisão da FPF (Federação Paulista de Futebol) de permitir o jogo entre Bragantino e Corinthians, pela ida das quartas de final do Campeonato Paulista, no Pacaembu.

Cruzeiro vai à Conmebol e protocola pedido de anulação da suspensão de Dedé

O Cruzeiro anunciou nesta quinta-feira que protocolou junto à Conmebol o pedido da anulação...

Inquérito policial conclui fraude e eleição no Vasco pode ser anulada

Dez meses após o pleito, a eleição para presidente do Vasco pode ser anulada....

CBF cobra Conmebol por 'erro grave' em expulsão de Dedé e pede investigação

A CBF encaminhou ofício à Conmebol no fim da tarde desta quinta-feira, apontando seu...

“Essa mudança depõe contra o Campeonato. Há um prejuízo técnico. Eu falei isso na reunião e acho que o regulamento pode ser revisto”, disse Galiotte.

Em entrevista concedida à “ESPN”, o líder alviverde voltou a bater na tecla. “Minha posição foi muito simples. Está no regulamento, mas depõe contra o campeonato. Cria-se um desequilíbrio esportivo. Um campeonato como o Paulista, exemplo para o Brasil, não precisa disso”, opinou.

Continua depois da publicidade

De acordo com o Galiotte, o Palmeiras está disposto a discutir mudanças no regulamento no que diz respeito ao mando de campo antes do próximo Paulista. No ano passado, o Linense teve postura semelhante à do Bragantino e mandou seu jogo contra o São Paulo no Morumbi.

“Já nos posicionamos hoje que esse é um tema que cabe reflexão para os anos seguintes. É um campeonato sério que não precisa depor contra. Não precisa disso”, declarou.

De acordo com o presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, é possível debater mudanças no regulamento para 2018 caso os clubes desejarem. “É só os clubes quererem colocar isso no regulamento, veto a jogos na cidade do visitante”, afirmou.

Segundo o dirigente, o fato de o Palmeiras ter assinado o regulamento não tira a legitimidade do protesto de Galiotte. “Eu acho que todo mundo tem direito de reclamar. É importante ouvir a opinião de todos. Regulamento está sendo cumprido à risca, mas o Palmeiras fez a sua reclamação”, declarou o presidente da FPF.

Publicidade