Cotidiano

Prédio desaba, mata dois e deixa moradores soterrados em Salvador

COMPARTILHE
19

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O desabamento de um prédio de três andares, na manhã desta terça-feira (13), em Salvador, deixou ao menos dois mortos e outras três pessoas soterradas.

Gasômetro explode na Usiminas em Ipatinga; veja o vídeo

Um dia depois da morte de um funcionário que realizava manutenção em um equipamento, um...

Brasil ocupa 59º lugar no ranking da leitura entre 76 países, aponta levantamento

A leitura é um direito de todos, inclusive de quem não enxerga. No Brasil,...

Saiba quais são os temas mais debatidos pelos brasileiros no Facebook

Assuntos relacionados a segurança e economia são os mais debatidos pelos brasileiros no Facebook....

O prédio, que fica no bairro de Pituaçu, caiu por volta das 6h. A construção é recente, não tem alvará e foi erguida em uma área de invasão.

Segundo os bombeiros, morreram Robert Pereira, 12, e Alan Pereira, 31. Ambos foram retirados dos escombros já sem vida.

Continua depois da publicidade

Os soterrados estão em um quarto do imóvel, que tem um porão, térreo, primeiro andar e a laje. Um adolescente de 12 anos também estava no quarto, mas foi resgatado.

A dificuldade no resgate é que não é possível entrar máquinas no local. Estão sendo usadas marretas e equipamento para cortar ferragens e blocos de concreto.

Outras três pessoas dormiam na laje do imóvel e conseguiram escapar do acidente. Elas sofreram ferimentos leves porque foram atingidas por pedaços de telhas.

A hipótese dos bombeiros é que o terreno possa ter se movimentado e provocado o colapso da estrutura devido às fortes chuvas que caíram na capital baiana nas últimas horas.

Nos fundos do imóvel existe outros barracos e um rio, para onde corre toda água da chuva e do esgoto.

TRISTEZA

Moradores da região auxiliam os bombeiros e os técnicos da Defesa Civil no resgate às vítimas.

Um deles é o entregador Luciano dos Santos, 39. Ele acordou com o barulho provocado pela queda do prédio. “Não esperava que pudesse ser o desabamento da casa. Uma vizinha me chamou e eu consegui, com ajuda de outros quatro vizinhos, resgatar o casal e o bebê de um ano que dormia na laje. Cheguei a cortar o pé e levar um choque andando sobre os escombros”, lembra.

Mas a dor causada por esses ferimentos leves, afirma, não se compara com a tristeza que tomou conta de toda a comunidade. “Não esperava que isso fosse acontecer. A casa parecia forte. Nós agora estamos sentindo essa perda e pedindo a Deus para confortar todo mundo”, diz.

Publicidade