Política Nacional

Alvo da Lava Jato do Rio tentou usar bitcoins para enviar dinheiro ao exterior

COMPARTILHE
30

FELIPE BÄCHTOLD

Apoiadores de Bolsonaro fazem carreata na porta da TV Aparecida

Apoiadores da campanha do candidato do PSL ao Planalto, Jair Bolsonaro, fazem uma carreata...

Frase 'Haddad é Lula' confunde o eleitor e 'produz desinformação', acusa MPE

Em parecer encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques, acusou...

Em carta divulgada nas redes sociais, FHC defende união contra extremos

Em carta divulgada nas redes sociais, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu uma união...

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – Um dos alvos da Operação Pão Nosso, fase da Lava Jato do Rio deflagrada nesta terça-feira (13), usou bitcoins para enviar dinheiro para fora do país e tentar escapar da fiscalização, de acordo com a Receita Federal, que participou da investigação.  

A operação apontou que foram gastos R$ 300 mil em quatro operações de compra da moeda virtual fora do Brasil no ano passado. O nome do suspeito não foi divulgado.  

Continua depois da publicidade

“É uma novidade. Mostra que as pessoas estão tentando sofisticar de alguma forma, talvez voar abaixo do radar da Receita Federal, do Banco Central e do Coaf [Conselho de Controle de Atividades Financeiras]”, disse o superintendente-adjunto regional da Receita, Luís Henrique Casemiro.   

Ele disse suspeitar de uma tentativa de mandar dinheiro para o exterior usando esse instrumento, que não é regulado na maior parte dos países.  

Em novembro passado, o Banco Central divulgou um comunicado afirmando que as moedas virtuais não são emitidas nem garantidas por qualquer autoridade monetária e que não têm garantia de conversão para moedas soberanas, representando um risco para os detentores.    

REDE DE LAVAGEM  

A Operação Pão Nosso investiga desvios na Secretaria de Administração Penitenciária do Rio por meio de superfaturamento de contratos para o fornecimento de lanches em presídios. A Polícia Federal cumpriu mandados de prisão na manhã desta terça, incluindo os do ex-secretário César Rubens Carvalho e do delegado Marcelo Martins, que chefia a divisão de Polícia Especializada do estado.  

Outro alvo é o empresário Carlos Felipe Paiva, apontado como o nome por trás da organização social que tinha contrato com o governo estadual. Ele está em Portugal e não foi preso.  

O Ministério Público Federal suspeita que parte do dinheiro desviado tenha sido enviado para o exterior por meio de Sérgio Pinto, doleiro que já tinha sido alvo da Operação Farol da Colina, da PF. 

Publicidade