Cidades

"Fui perseguido por Thiago Peçanha e afastado do cargo por ser cunhado do primo de Dr. Luciano”, afirma fisioterapeuta

COMPARTILHE
2215

O fisioterapeuta Giorgio Pinheiro Calixto, que atua pelo Consórcio Público da Região Expandida Sul (Cim Expandida Sul), no município de Itapemirim, afirma ser vítima de perseguição política do prefeito interino Thiago Peçanha (PSDB), que teria pedido o seu afastamento do cargo.

Recorde de corredores marca 41ª edição da Corrida de São Pedro em Cachoeiro

“Esta é a minha quarta participação na corrida. Quando era adolescente, eu corri. Hoje,...

“Neste ano vamos fazer uma festa para representar as mulheres”, diz Cachoeirense Ausente Neuza Brunoro

A chegada da Cachoeirense Ausente nº 1, a professora e nutricionista Neuza Maria Brunoro...

Programa Formação Pela Escola abre 270 vagas em cursos gratuitos em Cachoeiro

A Secretaria Municipal de Educação (Seme) de Cachoeiro de Itapemirim abriu 270 novas vagas...

Giorgio relata que presta serviços ao município desde 2007 e que em 2012 entrou no consórcio pelo fato da Prefeitura não aceitar mais pessoa física e passou a ser credenciado no Cim Expandida Sul, por meio da empresa que abriu com outros três sócios.

“Nunca me misturei com política. Sempre fui um profissional dedicado e tenho amor pela profissão. O atual prefeito interino me tirou do cargo. Não presto mais atendimento em Itapemirim por motivo de perseguição política, só porque sou irmão de Loriane e cunhado de Dr. Evandro Paiva, que é primo do Dr Luciano Paiva. A direção do AMA me informou pessoalmente que não vão precisar dos meus serviços”, reclama o fisioterapeuta.

Continua depois da publicidade

Giorgio afirma que durante o tempo que prestou serviço para o município, trabalhou na Pestalozzi, Antigo Hospital Santa Helena, CRIA e Centro de Convivência, procurando sempre atender todos “sempre com caráter e dignidade”.

“Me sinto injustiçado. Levei uma facada pelas costas. Isso é perseguição, pois todos meus sócios continuam prestando serviços ao município. somente eu fui tirado e covardemente”, lamentou o fisioterapeuta.

Questionado se pretende mover alguma ação contra a Prefeitura, Giorgio disse que, apesar de ter vários advogados na família, “não quer confusão”.

Em nota, a prefeitura nega que há algum tipo de perseguição política contra o fisioterapeuta. “Informamos que a escolha dos profissionais da saúde que atendem pelo Cim Expandida Sul não é de responsabilidade do município, mas do próprio consórcio, levando em consideração a demanda da região e o perfil técnico do profissional. Portanto, o prefeito em exercício de Itapemirim, ou qualquer outro servidor, não pode(m) ser responsabilizado(s) pela contratação ou desligamento de nenhum profissional”, informou a municipalidade.

Por telefone a diretora do Consórcio, Olímpia Belonia, esclareceu que a empresa de Giorgio continua credenciada e que por parte do Cim Expandida Sul não houve qualquer pedido de desligamento do profissional.

Publicidade