Cidades

Pilotos de Rio Novo vão representar o Sul do Estado no kart capixaba

COMPARTILHE
282

Está tudo pronto para o Campeonato Capixaba de Kart 2018. A partir de março os motores vão roncar alto e a adrenalina rolar solta na disputa mais acirrada do Espírito Santo. No páreo do CCK 2018, dois representar da região Sul.

Assista a edição deste sábado (7) do programa Top Show pelo AQUINOTICIAS.COM

O programa Top Show, apresentado por Parraro Scherrer, deste sábado (7), está no ar...

Fim de semana repleto de atrações culturais e de lazer para os cachoeirenses

Para aqueles que gostam de atividades artísticas e culturais, o fim de semana, em...

Após fortes chuvas, casa desaba em Mimoso do Sul

Uma residência veio abaixo após as fortes chuvas que caíram na madrugada deste sábado...

Pedro Peçanha Herédia de Sá, 12 anos, é cachoeirense e correrá na categoria Júnior Menor. Já Frederico Frederico Thielmann de Miranda, 38 anos, é mineiro e estará disputando a categoria Graduados, ambos com motores 2 Tempos (125cc). Os dois moram em Rio Novo do Sul.

Pedro Sá fez sua primeira corrida em maio de 2017, no 1° GP Rio Novo do Sul de Kart, torneio amador de corrida de rua. A paixão pelo esporte está no sangue. Desde cedo gostava de brincadeiras que envolviam velocidade, de videogames a carrinhos de corrida. O kart foi a forma de passar das competições no mundo virtual para as emoções da pista real.

Continua depois da publicidade

“Meu pai foi comprar um kart e eu pedi um para mim também. Durante uns treinos eu estava disputando com ele e consegui ultrapassá-lo. Ele parou, ficou me olhando correr e marcando meus tempos. Foi aí que reparou que eu não errava o traçado e conseguia fazer várias voltas com tempos iguais, como se eu fosse um “relógio”, por isso ele resolveu parar de correr e passou a me treinar e incentivar”, conta Pedro Sá.

O estreante afirma que mesmo sendo seu primeiro ano em um campeonato oficial da CBA, vai entrar no kartódromo com uma estratégia definida e ganhar experiência de pista. “Mesmo determinado, vou manter cautela para terminar as corridas sem acidentes e concluir o ano entre os três melhores da categoria. Mas vou correr todas as pistas com a “faca nos dentes” e buscar a vitória”, brinca Pedro.

Campeão Sul

Para conseguir melhor desempenho os pilotos se prepararam com muito treino e ajustes nos motores. Bem mais experiente que Pedro Sá, Frederico Thielmann foi campeão Sul Capixaba na categoria 2 Tempos em 2016 e campeão Sul Capixaba invicto na categoria 4 tempos em 2017, ganhando todas as sete corridas. Ele integra a equipe Corbacho Racing, junto com Pedro Sá.

Outro apaixonado por velocidade desde cedo, Frederico consolidou sua escolha pelo kart há quatro anos, quando descobriu que em Cachoeiro de Itapemirim havia uma pista, localizada no Timbó. “A paixão pelo automobilismo veio através do meu pai que corria de kart em Poços de Caldas (MG). Quando eu tinha apenas cinco anos, dei minha primeira volta de kart no colo dele e desde então não sosseguei até conseguir comprar o meu, que aconteceu quando eu estava com 34 anos”, explica Fred.

Após dois títulos do Campeonato Sul Capixaba, ele acredita que adquiriu experiência e maturidade para dar trabalho aos grandes nomes que irão disputar o CCK e estão entre os melhores do Brasil. “A expectativa para o Campeonato é enorme! Adquiri experiência e maturidade para essa disputa. Me preparei para isso e vou em busca desse sonho”, finaliza.

O CCK 2018 começa dia 10 de março. As provas serão na única pista estadual homologada pela Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), o Kartódromo Internacional da Serra.

Para os pilotos, as maiores dificuldades são os altos custos com equipamentos, viagens para disputa do campeonato e treinos. A falta de patrocínio e incentivo das empresas regionais para o automobilismo e a distância para o Kartódromo Internacional de Serra também são pontos agravantes.

“Treinamos todos os sábados. Acordamos às cinco da manhã e chegamos no kartódromo de Serra por volta de oito horas. Treinamos até as 17h, quando a pista é fechada, só paramos para almoçar. Voltamos para casa e só chegamos em Rio Novo do Sul por volta de 21h. É bem cansativo até para Pedro, que vai e volta dormindo no carro, e não temos um incentivo ou patrocínio”, afirmou Paulo Sá, pai e maior incentivador de Pedro no esporte.

Publicidade