Política

Conselho do Ministério Público decide processar Pezão por improbidade

COMPARTILHE
37

ITALO NOGUEIRA

Bolsonaro vai rebater crítica ambiental

Apesar da promessa de um discurso "conciliatório", o presidente Jair Bolsonaro deve aproveitar sua...

Sem articulação, oposição investe em ações no STF contra Bolsonaro

Sem articulação ou votos suficientes no Congresso, partidos de oposição ao presidente Jair Bolsonaro...

Promessa de 'afagos' teria convencido Bolsonaro a aceitar jantar com Trump

A promessa de gestos de deferência feita por Donald Trump teria convencido o presidente...

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – O Conselho Superior do Ministério Público decidiu nesta quinta-feira (26) que o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), deve ser alvo de ação civil pública por improbidade administrativa.

Ela é acusado de gastar menos do que exigido por lei em saúde em 2014. A ação é resultado de um pedido do Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Rio).

Continua depois da publicidade

O processo estava represado no Conselho há três meses, após sucessivos pedidos de vista -mesmo quando a maioria do colegiado já havia se posicionado a favor. Reunidos mais uma vez, os procuradores decidiram por seis votos a três propor a ação civil pública.

A prática de atos de improbidade administrativa autoriza o impedimento do governador. A constituição estadual considera infrações do tipo como um crime de responsabilidade.

O Ministério Público considerou que Pezão não aplicou 12% da receita do Estado em saúde. O procedimento foi aberto após representação do Cremerj, em junho de 2015, com base no relatório técnico do TCE (Tribunal de Contas do Estado) que sugeriu a reprovação das contas de Pezão.

O Estado afirma que aplicou os recursos no setor e que os conselheiros do tribunal aprovaram as contas.

BATE-BOCA

A decisão do conselho do MP contraria o pedido de arquivamento feito pelo ex-procurador-geral de Justiça, Marfan Martins Vieira.

Em fevereiro, o colegiado determinou que Vieira fizesse novas diligências. Ele renovou o pedido de arquivamento em outubro, o que foi negado mais uma vez. Além disso, os procuradores determinaram a propositura da ação contra Pezão.

Foi a primeira vez na história que o conselho não homologou uma promoção de arquivamento do procurador-geral.

A investigação contra Pezão tem sido marcada por sucessivas brigas no conselho. A definição sobre quem conduziria as novas diligências também provocou intenso bate-boca no conselho, como revelou a Folha de S.Paulo em abril.

Publicidade