Política Nacional

Cármen Lúcia diz que não vai se dobrar à pressão no caso da prisão de Lula

COMPARTILHE
21

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Carmen Lúcia, disse em evento promovido pela Folha de S.Paulo nesta terça (13) que não vai aceitar pressão para colocar em votação na corte a questão da prisão em segunda instância, que interessa à defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Encontro com Marina frustra integrantes do Agora!

O jantar promovido na quarta-feira, 20, pelo apresentador Luciano Huck com a presença da...

Fachin mantém na prisão investigados da Operação Registro Espúrio

Nesta quinta-feira, 21, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu manter...

Em nova fase, Lava Jato prende ex-diretor da Petroquisa

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 21, a Operação Greenwich, 52.ª fase da Lava...

Ao ser questionada sobre como lidava com o lobby para revisar a previsão de prisão a partir de decisão da segunda instância, Carmen Lúcia respondeu: “Eu não lido. Eu não me submeto a pressão”.

Ela fez a declaração no evento “Mulheres no Poder – A questão de gênero na Justiça brasileira”, promovido pela Folha de S.Paulo no Teatro Alfa, na zona sul de São Paulo.

Continua depois da publicidade

Também participaram do debate a ministra-chefe da AGU (Advocacia-Geral da União), Grace Mendonça, e a ministra do Supremo Tribunal Militar Maria Elizabeth Rocha. O evento foi mediado por Maria Cristina Frias, colunista da Folha de S.Paulo.

Um dos integrantes da defesa do ex-presidente Lula, o ex-ministro do Supremo Sepúlveda Pertence, visitou ministros do Supremo para que a corte colocasse em votação a medida que altera a decisão de prender a partir de decisão de segunda instância.

Lula pode ser preso a partir da decisão do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), o que pode ocorrer a partir do final deste mês ou em abril.

Ele foi condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo TRF-4. A defesa do ex-presidente pediu a revisão da decisão, alegando que há pontos obscuros e ilegais na decisão.

Publicidade