Esporte Nacional

Eurico condena Brant por se autoproclamar presidente do Vasco

COMPARTILHE
48

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) – O presidente do Vasco, Eurico Miranda, emitiu nota oficial em nome do clube e criticou o comportamento de Julio Brant, seu adversário nas eleições que ocorreram em dezembro. O atual mandatário considerou um desrespeito com o conselho deliberativo do clube o fato de Brant se proclamar presidente do Vasco.

“Em toda a história do clube nunca se viu tamanho desrespeito aos 300 conselheiros que compõem o colegiado maior, responsável efetivo pelas diretrizes e a gestão do Club de Regatas Vasco da Gama. Pois somente ao conselho cabe a decisão de quem será o presidente. Nunca a um dos candidatos. Em gesto que lembra a gafe cometida pelo então candidato à prefeitura de São Paulo, Fernando Henrique Cardoso, o Sr. Brant sentou-se na cadeira antes da hora, ignorando as normas que regem a instituição e sua imensa tradição”, disse Eurico em nota.

Eurico é presidente do clube até a segunda quinzena de janeiro, quando deverá convocar uma reunião para dar posse a Júlio Brant, vencedor das últimas eleições. Eurico, porém, ainda tenta reverter o quadro na Justiça, que anulou os votos da urna que lhe dariam o triunfo. Caso não obtenha êxito, Brant terá de ser proclamado presidente do Vasco.

Publicidade

Em um momento de transição, porém, Brant reclamou da conduta de Eurico Miranda no comando do Vasco e se autoproclamou presidente do Vasco, irritando o rival. Em entrevista coletiva, Brant acusou a atual administração de permitir saques no clube e de se desfazer de alguns jogadores do elenco, casos do lateral-direito Madson e do meia Mateus Vital.

Veja nota oficial completa do Vasco:

Moção de repúdio ao desrespeito perpetrado pelo Sr. Julio Brant

O Conselho Deliberativo do Vasco da Gama foi afrontado, na manhã desta sexta-feira, pelas declarações do candidato à presidência do Clube, Sr. Júlio Brant, que afirmou categoricamente que já é o Presidente do Vasco. Tal afirmação foi feita publicamente, em entrevista coletiva à imprensa transmitida por redes sociais para milhões de expectadores. Em gesto de total desrespeito aos ritos e ao estatuto do clube, o candidato afirmou : “O que estou fazendo aqui hoje é tirar o presidente atual e assumir a cadeira dele.”

Em toda a história do clube nunca se viu tamanho desrespeito aos 300 conselheiros que compõem o colegiado maior, responsável efetivo pelas diretrizes e a gestão do Club de Regatas Vasco da Gama. Pois somente ao conselho cabe a decisão de quem será o presidente. Nunca a um dos candidatos. Em gesto que lembra a gafe cometida pelo então candidato à prefeitura de São Paulo, Fernando Henrique Cardoso, o Sr. Brant sentou-se na cadeira antes da hora, ignorando as normas que regem a instituição e sua imensa tradição.

Em sua manifestação, absurda e extemporânea, o Sr. Brant também desqualificou a opinião e a vontade da maioria dos conselheiros que decidiram manter a tradição de eleições indiretas. Disse ele que é uma “aberração a eleição indireta”. Pois se dela aceitou participar, por que justamente agora vem questionar sua validade?

Indo ainda mais longe em sua desrespeitosa atitude, o senhor Brant afirmou que sabe estar violando o estatuto do clube, ao se proclamar presidente antes da hora, e alegou uma suposta situação de calamidade, numa construção de raciocínio que parece atender mais a um oportunismo eleitoral do que aos reais interesses do Vasco da Gama.

Por fim, em atitude de flagrante tentativa de boicote, o Sr. Brant praticou um ato de terrorismo eleitoral, ao solicitar que fornecedores e parceiros do clube não estabeleçam nenhuma negociação com o clube neste momento, numa clara tentativa de paralisar e inviabilizar a administração. Justamente agora, às vésperas de se iniciar a campanha da Copa Libertadores da América. Sendo assim, o que nos move aqui é uma moção de repúdio às práticas eleitoreiras que não respeitam o Vasco e seus conselheiros.

Club de Regatas Vasco da Gama

Publicidade