Economia

Exportação de carne para os EUA pode ser retomada até junho, diz ministro

COMPARTILHE
67

MARCELO TOLEDO

Câmara aprova MP que altera juros em fundos constitucionais

Deputados aprovaram nesta terça-feira, 22, no plenário da Câmara, a medida provisória (MP) 812/2017,...

Política de preços de combustíveis permanece inalterada, diz Petrobras

Em resposta a ofício enviado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Petrobras afirma...

Plataforma para acordo de poupadores sobre planos tem 3.250 cadastros no 1º dia

A plataforma para adesão ao acordo que pagará rendimentos das cadernetas de poupança pelos...

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) – O Ministério da Agricultura espera que até o final do semestre o Brasil volte a exportar carne “in natura” para os EUA.

A afirmação foi feita pelo ministro da pasta, Blairo Maggi, em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), onde visita a Agrishow (Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação) nesta sexta-feira (4).

Continua depois da publicidade

Se o prazo se confirmar, as exportações serão retomadas mais de um ano após a suspensão. Os EUA anunciaram em 22 de junho do ano passado a suspensão de toda a importação de carne bovina “in natura” do Brasil devido a preocupações sobre a qualidade do produto.

A decisão dos EUA foi uma reação ao aumento dos problemas sanitários com o produto brasileiro. Segundo o Departamento de Agricultura americano, 11% de toda a carne bovina “in natura” exportada pelo Brasil desde março de 2017 foi barrada por “preocupações com a saúde pública, condições sanitárias e problemas com a saúde dos animais”.

O índice, ainda conforme o governo dos EUA, era muito maior do que a média global, de 1%.

“A bola está hoje com os EUA. Temos uma missão viajando para lá e todos os documentos, todos os questionários, todos os pedidos, foram respondidos”, disse Maggi.

Ele disse esperar que todos os problemas sejam resolvidos e que até o final do semestre o Brasil volte a exportar para os EUA. “É nosso desejo e estamos trabalhando para isso”, afirmou o ministro.

Publicidade