Cotidiano

Prédio desaba, mata dois e deixa moradores soterrados em Salvador

COMPARTILHE
11

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O desabamento de um prédio de três andares, na manhã desta terça-feira (13), em Salvador, deixou ao menos dois mortos e outras três pessoas soterradas.

Mulher confunde linguiça com cobra e pede socorro a bombeiros em MG

Uma mulher de Viçosa, Minas Gerais, contatou o Corpo de Bombeiros para uma operação...

Entidades dos EUA afirmam que Hezbollah lava dinheiro no Brasil

A milícia libanesa Hezbollah, designada pelos Estados Unidos como um grupo terrorista, está formando...

Gratuidade no Enem será automática para estudante de escola pública

Os estudantes da última série do ensino médio de escolas da rede pública terão...

O prédio, que fica no bairro de Pituaçu, caiu por volta das 6h. A construção é recente, não tem alvará e foi erguida em uma área de invasão.

Segundo os bombeiros, morreram Robert Pereira, 12, e Alan Pereira, 31. Ambos foram retirados dos escombros já sem vida.

Continua depois da publicidade

Os soterrados estão em um quarto do imóvel, que tem um porão, térreo, primeiro andar e a laje. Um adolescente de 12 anos também estava no quarto, mas foi resgatado.

A dificuldade no resgate é que não é possível entrar máquinas no local. Estão sendo usadas marretas e equipamento para cortar ferragens e blocos de concreto.

Outras três pessoas dormiam na laje do imóvel e conseguiram escapar do acidente. Elas sofreram ferimentos leves porque foram atingidas por pedaços de telhas.

A hipótese dos bombeiros é que o terreno possa ter se movimentado e provocado o colapso da estrutura devido às fortes chuvas que caíram na capital baiana nas últimas horas.

Nos fundos do imóvel existe outros barracos e um rio, para onde corre toda água da chuva e do esgoto.

TRISTEZA

Moradores da região auxiliam os bombeiros e os técnicos da Defesa Civil no resgate às vítimas.

Um deles é o entregador Luciano dos Santos, 39. Ele acordou com o barulho provocado pela queda do prédio. “Não esperava que pudesse ser o desabamento da casa. Uma vizinha me chamou e eu consegui, com ajuda de outros quatro vizinhos, resgatar o casal e o bebê de um ano que dormia na laje. Cheguei a cortar o pé e levar um choque andando sobre os escombros”, lembra.

Mas a dor causada por esses ferimentos leves, afirma, não se compara com a tristeza que tomou conta de toda a comunidade. “Não esperava que isso fosse acontecer. A casa parecia forte. Nós agora estamos sentindo essa perda e pedindo a Deus para confortar todo mundo”, diz.

Publicidade