A obra do cantor e compositor Sérgio Sampaio está sempre sendo celebrada e colocada em evidência em Cachoeiro de Itapemirim. No próximo dia 11 de agosto, o público cachoeirense pode conferir o espetáculo “Aquele que Disse”, da banda Cabine 65, em Cachoeiro de Itapemirim. A apresentação é única e acontece às 20h, no Teatro Municipal Rubem Braga. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).

A banda Cabine 65 é composta por Aroldo Sampaio na guitarra, Felipe Fabris no vocal, Maycon Mattos no baixo e Patrick Gonçalves na bateria. No ano em que o artista completaria 70 anos o projeto traz para as músicas arranjos elétricos com ritmos redefinidos, mas mantendo a identidade e a relevância da obra.

“É uma honra imensa participar dessa homenagem, interpretando essas grandes canções. Estamos super empenhados em surpreender os fãs desse grande artista, com versões repaginadas fresquinhas. Selecionamos os maiores sucessos, suas canções mais lembradas e couberam certinho na nossa roupagem. Muita gente boa vai participar do show”, argumenta o vocalista Felipe Fabris.

O espetáculo contará com músicos convidados para o show: Marcelo Biato, Fábio Coelho, Sophia Marins, Clara Marins, Rudson Costa, João Felipe Fraga e André Prando. O ator e diretor Luiz Carlos Cardoso fará a direção artística da apresentação. “É um desafio: vir do teatro e trabalhar exclusivamente com músicos em cena. Há um novo processo criativo, de haver uma dramaturgia ai, uma iluminação e um cenário que esteja a favor da presença dos músicos e, sobretudo, da música. Sérgio é latente, enérgico, oferece um bom campo de criação e faz com que o resultado seja sempre algo interessante a oferecer ao nosso público”, afirma Luiz Carlos.

O nome do grupo desperta curiosidade. Aroldo Sampaio, musical do espetáculo e primo de Sérgio Sampaio explica que a escolha do nome é proveniente de parte importante da vida de do músico, que era a residência onde morava e uma música de gosto unânime para os integrantes do conjunto. “O nome é inspirado em dois fatos da vida e obra de Sérgio. O número da casa em que Sérgio viveu em Cachoeiro, na Rua Moreira, número 65, e a música “Cabine 103” da qual gostamos muito. Sérgio era um cara muito atemporal, composições de 1972 caem como uma luva para os dias atuais. Na minha opinião as suas últimas composições são de altíssimo nível”, finaliza Aroldo Sampaio.

loading...

Participe e comente