Blog do João Moraes

Viajando na maionese

25/05/2017 00:00:00

João Moraes

Por que será que quando o estado não dá conta de suas obrigações alguém logo baixa uma norma transferindo o ônus dessa inoperância para a sociedade, penalizando, na ponta, o pobre mortal. Resposta difícil de tão fácil. O que acham da proibição de maionese caseira, aquele inocente creminho verde servido em saquinhos nos lanches e podrões das cidades. Em que será que esse alimento difere por exemplo do camarão servido em restaurantes e barraquinhas de praia¿ Deviam proibir então a venda de alimen...

Leia Mais

O Futuro Batia Ponto No garota de Bom Sucesso

22/05/2017 00:00:00

João Moraes

No Garota de Bonsucesso, nossa preferência era o bolinho de carne com muita pimenta e o chope tirado pelo Bigode. Ficávamos ali por 12, 14 horas seguidas antes de ir pra farra de verdade. Às vezes, uma ou outra mulher acompanhava, mas, em geral, era coisa de homem. Também éramos adeptos de, uma vez por mês, tomar uns uísques de marcas menores e de procedência honestamente falsa. Nosso querido amigo, quase um sócio, Antônio, garçon de larga experiência e hoje dono de negócio próprio, dizem, muito...

Leia Mais

A Virada

18/05/2017 00:00:00

João Moraes

É melhor checar de novo para ver se está tudo no carro. Duas caixas de cerveja, copos, uma grosa de cigarros, garrafão de boa pinga – na época eu bebia AS, Alegria do Sertão - e um imprescindível panelão de farofa de linguiça e pão. Isso mesmo, farofa de pão. É só picar o pão francês e fritá-lo na gordura de bacon que o pão fica parecendo torresmo. O caminhão para levar os homens encostou e o velho fusca verde detonado, estufado de víveres fundamentais, partiu. Para quem vai virar o 31 de dezem...

Leia Mais

Penharol II

16/05/2017 00:00:00

João Moraes

A janela do meu quarto no terceiro andar do velho prédio em Bonsucesso, onde morei por dez anos, dava para os fundos dos galpões de uma antiga fábrica. Os telhados escuros e empoeirados abrigavam gatos dos mais variados tipos. Magros esguios de orelha fina e pelagem escura com manchas amarelas; parrudos meio cambotas de rosto redondo de olhos grandes e amarelos; rajados de rabo quebrado e cicatrizes reveladoras de grande volúpia sexual – porque, humanamente, o amor entre os gatos é quase uma gue...

Leia Mais

Penharol I

15/05/2017 00:00:00

João Moraes

O gato amarelinho, vivo, mínimo. O cérebro neblinado, condescendente, generoso, ébrio. Não deu outra: peguei o animalzinho pelo cangote, gesto que o fez assumir a posição reveladora de sua pronunciada barriga de felino bebê. Subi as escadas batendo pelas paredes caracachentas, pintadas de verde água. Quem tava n’água era eu, após quantidade considerável de Caninha da Roça e outros alteradores pouco mais nobres do que essa deplorável água (mais uma vez a água)ardente. Travei violenta luta corpo a...

Leia Mais

Negócio Difícil

11/05/2017 00:00:00

João Moraes

- Enjeitei 20 mil reais nessa mula. Dinheiro é fácil de ganhar, mas essa mula ninguém tem. É minha e não vendo por dinheiro nenhum. O sujeito sem camisa, de calça jeans, falava para a cidade de Guaçui inteira ouvir. Numa das mãos brandia um churrasquinho de gato devidamente empanado por espessa camada de farinha, malhada por manchas marrons de molho inglês. Os olhos esbugalhados e a euforia denunciavam que o churrasquinho, de fato, cumpria o nobre papel de tira-gosto. - Esse mulão aqui é muito...

Leia Mais

Porvir

04/05/2017 00:00:00

João Moraes

A vitrine da estufa olhava fixamente dentro de meus olhos e por trás de suas retas retinas vítreas, banhados em banha, pedaços de porco seduziam. Perguntei se era barriguinha, mas Joel disse que era papada. Ô Joel, então bota aí pra gente provar e abre a meiota de Engenho do Vovô.Assim começa meu carnaval em Mundo Novo, distrito de Dores do Rio Preto, lá na Serra do Caparaó. Mas não ficamos na cidade, ficamos numa casinha cravada na serra, mais acima. Um terreiro de café diante a casa era nosso ...

Leia Mais

Solenes e Lunáticos

27/04/2017 00:00:00

João Moraes

Não beba demais. Come só um pouquinho, meu bem. Você está trabalhando muito. Você não acha que dorme além do necessário? E ainda o clássico “água demais mata a planta”. Em passo de ganso por aí vão as intermináveis manifestações contra o excesso. A ditadura do equilíbrio, numa vã tentativa de acertar, tenta eliminar os erros para chegar à perfeição. De um lado os solenes, do outro os lunáticos. No meio, instalados sobre o fiel da balança, no conforto das condições básicas de pressão e temperatu...

Leia Mais

Tambor

22/04/2017 00:00:00

João Moraes

A manhã começou plena de heresia. Indo de Vitória para Vargem Alegre, em São Vicente, distrito de Cachoeiro e parar para fazer um lanche, pedi um pastel de carne ao invés do sagrado sanduíche de pernil com molho de manteiga e limão, quebrando a ortodoxia litúrgica daquelas paragens a não ser pelo fato do bar ostentar paredes e paredes de chaveiros pendurados; indicativo de muito respeito pelas tradições de Iconha. Subi por Vargem Alta. Lá as pessoas andam com um Prestobarba no bolso para o caso...

Leia Mais

Na Feira

20/04/2017 00:00:00

João Moraes

É três reais a bandeja; duas bandeja sai por cinco. E aproveita que é só agora. Depois que acabar, não vendo mais. - A sinhora vai querer o carreto? Se quiser eu levo a bolsa pra sinhora, o gordão tá cansado. E eu, na qualidade de gordão cansado, segundo o menino da feira, afirmei rápido que ainda aguentava levar uma melancia na sacola de pano, se fosse o caso. Acharam que o menino fora deseducado comigo, mas eu ri por sua inocência e crueldade naturais. Joelhos e pés pendurados por barbantes...

Leia Mais

GALERIAS DE IMAGENS