Blog do João Moraes

Uma Copa bariátrica em Si bemol

23/03/2017 08:00:00

João Moraes

Em minha longa jornada copa adentro vou convivendo com duas restrições que não imaginava ter que atravessar. Esperava uma copa com futebol mais gordo, exuberante e a TV só emite jogos anorexos de técnica e emoção. Os campos pequenos, a força física e o obsessivo Si bemol das vuvuzelas são cenário, narrativa e trilha sonora dessa magra cinematografia. E eu, um gordo convicto que há muito vem acumulando adiposidades e um gosto cada vez mais refinado por gorduras e proteínas, harmonizadas com nobre...

Leia Mais

O inventor de cidades.

22/03/2017 00:00:00

João Moraes

No casarão verde de quintal vertiginoso por detrás e, hoje, com pracinha lateral com bancos e mesas sob um generoso e longevo Pé de Fruta-Pão as pessoas vão para ler poesia e prosa de consagrados e nascentes; inéditos e célebres.  Cachoeiro de Itapemirim está entranhada daquela casa. Pelas brisas passeadas por entre janelas e portas no vão imenso do pé direito, pelo calor adensado de muitas tardes e noites febris do passado. Na trilha sonora do assoalho de tábuas rangendo a passagem dos anos e o...

Leia Mais

Geografia Nacional Capixaba

16/03/2017 08:00:00

João Moraes

- Tá pensando que fazer filme é fácil¿ Eu tive que engordar nove quilos para fazer o filme do João Moraes. Depois ficam aí falando de Touro Indomável, De Niro não sabe o duro que dei. Afonso Abreu ia contando e aumentando um pouquinho. Na verdade viajamos uns sete mil quilômetros pelas veias e veios do Espírito Santo para rodar o documentário “Viagem Capixaba”. E levamos com a gente uma grande partida de torresmo prensado – para quem não sabe, também o torresmo tem do solto e do prensado – e ge...

Leia Mais

Vitória

09/03/2017 08:00:00

João Moraes

Mudei para Vitória em 2004. Fui morar em Taboazeiro porque quando fomos olhar uma casa para alugar havia um cavalo amarrado na casa do lado e, do outro lado, o Dauri varria as folhas da mangueira, caídas no pátio de seu bar. Daí a pouco passou um sujeito vendendo peixes de rio que ele mesmo havia pescado. Boteco, cavalos e peixes nos convenceram com facilidade a escolher aquela casa e essa região que nos abriga até hoje; com a diferença de que agora habitamos uma casa em Joana D’arc onde contin...

Leia Mais

O Bote I

06/03/2017 00:00:00

João Moraes

A gente saía para se divertir naquela Brasília bege, cuja compra pela família alegrou por demais a prole de pedestres gerada por meus pais. Não foi o primeiro carro. Antes tivemos dois impávidos fuscas: o velho e bom 4413 amarelo safári e o alvo 0214, ambos valentes coletivos familiares capazes de levar consigo cinco pessoas e ainda toda uma enorme e variada tralha de pescaria que incluía barraca, varas de bambu, comida, muita isca, gelo, cerveja, bloqueador solar nem pensar – que nos anos 70 a ...

Leia Mais

Bernarda, Nícolas e Roberta . O Que Há de Bom

02/03/2017 08:00:00

João Moraes

Lembro quando li pela primeira vez Federico Garcia Lorca. Tinha dezessete anos e cursava o terceiro ano e pré-vestibular juntos lá no Rio de Janeiro no cursinho GPI do Méier. Eu morava em Bonsucesso e todo dia me apinhava junto a mais umas cem pessoas num ônibus azul cujo número me foge a memória. Em frente à escola havia, indefectível, o bar do João. Corria o ano de 81 e com a anistia os exilados estavam voltando, entre eles o ídolo do João, Leonel Brizola. Ele gostava tanto do gaúcho que tinha...

Leia Mais

Dona Gracinha

28/02/2017 00:00:00

João Moraes

Penso em Cora Coralina, penso em Zilda Coelho, Maria Lenk, Maria Éster Bueno, Dona loló, Maria Laurindo Adão, Comadi Linha; penso em minha vó, na beirada do barranco, conversando com o rio, pescando robalo. Fazia hóstias e pasteis. Nos dava gemada, a Dona Lina e, em dias muito especiais, comprava picolés de limão, embora preferíssemos creme Holandês.Lembro de sua mão enrugada e meio aleijada por causa do tombo que tomara ao pisar, inda mocinha, numa espinha de bacalhau. Naquele tempo em que se c...

Leia Mais

Ofídio

25/02/2017 00:00:00

João Moraes

Ela era roliça,meio esbranquiçada e estava encaracolada dentro de um vidro de balas que ja havia perdido a tampa. Fechando o vidro, um pires encardido como o vidro de bala. Parecia um bichinho de laboratório conservado em formol,mas o líquido em questão tinha uma química mais simples. Era cachaça dentro do vidro e dentro dela uma jararacade mais de metro. A cabeça da bicha ainda apresentava as marcas de pauladas desferidas há muito. Os olhos saltados denunciavam a opressão do porrete, bem como a...

Leia Mais

Memória Inundada

23/02/2017 08:00:00

João Moraes

A ponte suspensa de cabo de aço e ripas de metro e meio atravessada sobre a água brava balançava muito. Menino de algumas convicções religiosas em esquizofrênica simbiose com um racionalismo ateu reluzente e desproporcional feito crista de galo garnisé, supliquei ao pai celeste que me salvasse o corpo e fizesse da alma o que bem entendesse. Mas, depois dessa ponte, onde, óbvio, meu pedido foi atendido, embora deus ainda não tenha revelado o que fará de meu pobre espírito, muitas outras pontes se...

Leia Mais

Música.

16/02/2017 08:00:00

João Moraes

Era uma velha vitrola Philips, portátil e que pegava seis pilhas grandes. O primeiro disco, um Frank Sinatra com direito a My Way.  Entre os primeiros Lps adquiridos um Martinho da Vila, Paulinho da Viola e Paulo Diniz. Compactos: Maria Bethânea, Caetano e um vinil de brinde da revista Pop com Clapton e Hendrix. No mesmo ano Sergio Sampaio trouxe do Rio de Janeiro O Expresso 2222 do Gil. E até hoje eu lembro meu espanto quando ouvi: “Se oriente rapaz, pela possibilidade de ir pro Japão. Num Carg...

Leia Mais

GALERIAS DE IMAGENS