O crescimento do uso de Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs), chamados drones, vem sendo significativo no Espírito Santo. Produtividade, eficiência, baixo custo de produção e sustentabilidade são itens que podem ser alcançados a partir do trabalho com o equipamento.

O Estado já conta com profissionais e empresas especializadas na utilização desta tecnologia para vários setores, como agricultura, mineração, inspeção industrial, entre outras.

Para o produtor rural, que inspecionava a lavoura a pé, o equipamento é um grande aliado. Apesar de ramo ser conhecido pelo conservadorismo, os ganhos de produtividade e a economia proporcionada pelos drones nas lavouras tem levado o setor a se render à  tecnologia.

Em Cachoeiro de Itapemirim, no distrito de São Joaquim, o empresário Francisco Belge é um dos que estão começando a fazer o emprego da metodologia para a agricultura. O agricultor optou da técnica para avaliar as condições de um cafezal que estava com baixa produção. “Tivemos resultados excelentes, que jamais a olho humano, andando pela propriedade teria. Utilizamos uma única vez para avaliar as condições de um cafezal nosso que estava com baixa produção. Agora vamos fazer o acompanhamento das correções que foram enviadas pela empresa”, comenta Francisco.

Segundo o agricultor, a ideia de usar a tecnologia veio do filho universitário, que ficou sabendo da possibilidade de monitoramento de culturas agrícolas de forma mais precisa, com as imagens feitas pelos drones. Otimização de tempo e economia foram apenas dois dos resultados positivos da modernização.

“Contratamos uma empresa. Para eles, que são especialistas, nos gerarem os relatórios agronômicos detalhados. O resultado final foi excelente. Baixo custo para acompanhamento da cultura, além de agregar o mais importante, a ciência. Foi-se o tempo que tudo era geral, hoje podemos, por exemplo, adubar especificamente em uma região e não em todo o cafeeiro. Isso traz muita economia e na primeira aplicação que já quase paga o serviço prestado”, finaliza o agricultor.

Empresas fazem a terceirização dos serviços

A popularização dos drones abriu um novo leque de oportunidades em várias áreas, indo muito além da produção de fotos ou filmagens, exigindo formação e habilidades específicas para utilizar os programas computacionais para aquisição, tratamento e análise das imagens captadas por máquinas fotográficas embarcadas, bem como técnicas avançadas de geoprocessamento para interpretar as imagens, transformando-as em dados úteis para o empreendedor. Por isso, a tendência, no Brasil, é contratar empresas especializadas em soluções a partir destas tecnologias, ao invés de investir na compra de equipamentos e não conseguir explorar corretamente as imagens geradas por eles.

De acordo com Estevão Giacomin, proprietário da empresa capixaba Mappa – Soluções em Drones e Geotecnologias, as soluções com base em drones são mais adequadas para setores que precisam de mobilidade, alta qualidade de dados e rapidez. “No Espírito Santo, os setores de agricultura e mineração são os mais expressivos para a utilização dessa tecnologia, que pode revolucionar a produtividade desses empreendimentos”, afirma ele.

Segundo Estevão, seguradoras e governos municipais e estaduais também podem usar drones para monitorar áreas, avaliar riscos, como focos de dengue, incêndios, entre outros, o que já está sendo implementado em várias regiões do país. Ou seja, a potencialidade da tecnologia de drones, aliada a criatividade humana, tem possibilitado uma variedade de soluções e alternativas para otimizar a relação custo-benefício em vários setores da economia.

Com tantos campos de atuação já existentes, bem como outros se abrindo, cresce também a demanda por profissionais qualificados para pilotar drones e trabalhar com suas imagens, como apontam várias pesquisas que listam as profissões que mais devem crescer nos próximos anos. “O piloto de drones, com certeza, é uma das novas profissões que deverão se firmar com o crescimento desse mercado. Já existem cursos livres para a formação desses profissionais, como é ofertado pela Mappa, mas, esses cursos deverão ser ampliados ainda mais nos próximos anos”, conta Estevão Giacomim.

DRONES NA AGRICULTURA DE PRECISÃO

- Gestão de pastagens

- Análise de falhas no plantio

- Monitoramento do crescimento

- Contagem de pés

- Detecção de pragas

- Mapa de saúde da vegetação;

- Índices de vegetação (NDVI, SAVI, IAF)

- Estágios de maturação

- Deficiência de nutrientes

- Uso ótimo de adubos

- Tratamentos localizados

- Monitoramento de processos erosivos

- Gestão de irrigação

Fotos: divulgação
loading...

Participe e comente